Nesta entrevista, conheça um pouco da trajetória do Alan Camilo, diretor e supervisor de animação, além de programador e desenvolvedor da ferramenta atualmente mais utilizada por muitos animadores 3D, o Atools. – que agora está sendo reformulado, saberá mais nós próximos parágrafos.

Anteriormente, trabalhou como Animador 3D na Sony Animation Studios, Method Studio e muitos outros, onde teve a oportunidade de trabalhar em diversas produções.

Saiba como ele chegou se ingressou no mercado de CG, como chegou até o Canadá e como surgiu a ideia para a criação da mais poderosa e popular ferramenta já criada para animadores. Então, continue lendo e saberá como esse entrevista poderá ajudar em sua carreira. 🙂

Entrevista com Alan Camilo: Conheça os bastidores da mais poderosa ferramenta já criada para animadores, animBot

CaféCG: Primeiramente, muito obrigado Alan, por ter aceitado participar dessa entrevista conosco. E para começar, se apresenta para quem está chegando agora e ainda não conhece o seu trabalho. Conte-nos um pouco sobre você e sua trajetória como artista 3D

Alan Camilo: Eh um prazer! Obrigado vocês pela entrevista. Desde a infância o que eu queria mesmo era ser animador tradicional, acabei entrando pro 3D de para quedas. Nenhum filme antes dos Incríveis me fez ter vontade de trabalhar nisso, mas com o tempo acabei gostando. Meu primeiro trabalho foi como intervalador aos 23 anos. Cheguei a trabalhar 2 anos como animador cut-out em Flash e em 2 curtas, como animador tradicional, e so então comecei a animar 3D na Seagulls Fly – onde trabalhei durante 5 anos e meio. Durante esse tempo fiz alguns freelas internacionais, e desde 2012 estou no Canadá, atualmente na Stellar Creative Lab, mas ja passei pela Sony Pictures Animation, Method Studios e Rainmaker. Links: IMDB pageAnimation reel (pass: demo)

CaféCG: Quando você se mudou para o Canadá e qual o impacto essa mudança teve na sua carreira?

Alan Camilo: Foi um divisor de águas, eu evolui muito e muito rápido desde que cheguei aqui, muito por conta da alta demanda de qualidade e a chance de trabalhar com excelentes animadores ao redor.

CCG: Você sente alguma diferença entre o mercado internacional e o brasileiro?

AC: Minha experiência internacional é somente o Canadá, e aqui é completamente diferente, nem sei por onde começar a explicar… claro que existem exceções, mas no geral o mercado é bem mais ‘maduro’. Os profissionais no geral são mais respeitados, os salários e condições de trabalho, são melhores. As tarefas são muito mais segmentadas. Raramente, um animador vai se enfiar em modelar ou riggar alguma coisa. Outra coisa é que é super normal você pular de um estúdio para outro quando acaba um projeto. Você não vai entrar em nenhuma “lista negra” por optar em sair e se sair contra a vontade, também é normal voltar no futuro. A quantidade de estúdios possibilita isso, só aqui em Vancouver tem 43 estúdios de VFX e 27 de animação (feature e série).

CCG: Agora gostaríamos de saber, de onde surgiu a ideia para criar o Atools e como foi o seu processo de criação?

AC: A ideia surgiu em 2013, quando eu sai pela primeira vez da Sony. A Sony foi meu primeiro job, trabalhando full time em Maya, eu animava mais em 3D Max antes disso. Eu fui pra outro estúdio que não tinha nenhuma ferramenta de animação, e eu achava um saco ficar instalando scripts aleatórios, setando hotkeys, etc. Pior que isso, eu havia me acostumado com certos workflows que dependiam de algumas ferramentas que não existiam no novo estúdio. Pensei então em criar minha própria “shelf”, com esses scripts que eu usava (como o antigo e clássico tween machine), que fosse fácil instalar, fácil setar hotkeys, enfim, que fosse “plug and play”. Que eu pudesse levar em qualquer estúdio que eu fosse trabalhar e não dependesse mais de ferramentas internas.

Essa foi a primeira versão do aTools, não tinha nenhuma ferramenta minha! Era a mesma toolbar acima da timeline, mas os botões eram atalhos para esses scripts. Aos poucos eu fui aprendendo mais a desenvolver em Python e fui substituindo todas as ferramentas e adicionando novas. Sempre focando na usabilidade ser a mais eficiente possível.

Depois de uns 6 meses mais ou menos eu já havia substituído tudo e o aTools ja tinha 90% da forma que vocês conhecem hoje. Alguns amigos começaram a usar e ela se espalhou como epidemia 😛

CCG: A pouco tempo você anunciou que está reescrevendo toda a ferramenta do zero, para corrigir bugs e adicionar novos recursos. Quais mudanças podemos esperar com o lançamento da ferramenta? O nome muda também?

AC: A principal alteração é o conceito. A ferramenta é 100% nova, portanto o nome vai ser outro, animBot. Seria injusto chamar de aTools 2.0, a mudança é muito grande. Como expliquei acima, o aTools eu fiz pra mim mesmo, então não me preocupei em fazer uma ferramenta que outros usassem. No animBot o meu foco são vocês e não eu 🙂

E isso influencia em tudo, principalmente no que se refere a simplicidade e intuitividade no uso. Tem algumas ferramentas novas também, mas creio que quem usava o aTools vai sentir muito mais a melhora no uso do que novos recursos, e de quebra vai descobrir como usar ferramentas que o próprio aTools ja tinha – mas o uso não era obvio.

CCG: A ferramenta continuará gratuita para todos os animadores ou será paga? Se for paga, como irá funcionar a compra da licença?

AC: A versão Alpha e Beta que vai estar disponível durante o desenvolvimento, vai ser gratis. A versão oficial, vai ser paga, porém vai ser barata. Vou tentar fazer um setup que fique de graça para estudantes. O preço final vai depender de vários fatores mas, principalmente, da quantidade de pessoas interessadas. Então por favor, DIVULGUEM, para ajudar a ficar baratinha! Nada muda no aTools, ainda ficará disponível de graça.

CCG: Você pensa em expandir e criar uma empresa mesmo? Até para oferecer suporte, administrar a ferramenta como um todos.

AC: Jamais. Fazer isso iria encarecer o processo todo e o beneficio seria minúsculo. Fora que eu não pretendo largar a carreira de animador, primeiramente porque é a minha principal paixão e segundo, porque eu so consigo lapidar essa ferramenta porque EU estou usando diariamente 🙂 Mas vou oferecer suporte e administrar a ferramenta sim.

CCG: O lançamento Alfa será para um grupo seleto ou já está aberto para teste para todos?

AC: Está aberto para todos. Alias, por favor DIVULGUEM! Quanto mais gente interessada, mais tempo eu vou me dedicar no projeto.

CCG: Alan, gostaríamos de agradecer novamente pela entrevista. Gostaria de falar algo para a nossa audiência? Onde eles podem te encontrar?

AC: Quem gostaria de contribuir com o projeto e ajudar a fazer essa ferramenta ficar foda (pode falar foda? rs). Entre no grupo https://www.facebook.com/groups/1589262684419439 e faça parte da comunidade 🙂

1) Compartilhe nas suas redes sociais, isso ajuda demais.
2) Envie sugestões direto pela ferramenta (menu/connect/suggestion box) ou e-mail: [email protected]
3) Seja um Patreon e ganhe vários bônus: www.patreon.com/animbot.

CCG: Mais uma vez, muito obrigado pela sua participação. Gostaríamos de agradecer pela ideia da ferramenta, com certeza tem ajudado demais a comunidade de animadores ao redor do mundo. Esperamos e iremos ajudar, a divulgar a cada dia mais, para que possam ter mais e mais melhorias. Muito obrigado, Alan! 

E você, o que espera ver de novidades no animBot? Deixe o seu comentário logo abaixo! =)

E agradecimento especial para o leitor e animador, Fábio Pugliese, por ajudar a conseguir a entrevista <3 

Sobre o Autor

Fundador & Editor Chefe

Fundador do projeto CaféCG. É Animador 3D, fanático por leitura, gosta de escrever e criar histórias, assistir filmes e séries e, sem dúvida nenhuma, fazer animação!

Posts Relacionados